Saturday, December 19, 2009

Meu blog chora (continua) Ser editor hoje

Eu faço minha poesia Não sei onde ela toca
Ainda anônimo o meu verso Enjeitado
pelos que me pediram publicação
Aonde ela vai Infância na esquina

Guardei-os para a rede Eles balançam
na web Quem os tomará na boca?
Os meus versos sozinhos

Movimentam-se entre a poeira
e as luzes Tudo o que se mistura
no espaço Meus versos mordem

Mesmo que sejam plumas Ou nuvens
que voam Algodão ou cinzas

Aonde irá o poema Um tiro
em seu coração Todo o drama

na decadência do século Desequilibra-se
o humano e a fera mecânica

dos pecados bravos A besta quadrada
em suas posições Chantageiam-nos

É plural nossa derrota Lutamos nus
pela vitória Uma colcha cobre o leito

Nosso palco e a declamação

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home